NUEVO Debate – Trabalho e Transtornos Mentais, com a professora Dra. Elaine Cristina Schmitt

Transcrição e resumo

Karina Rossetto Obrzut

A professora Dra. Elaine Cristina Schmitt inicia a entrevista falando sobre a dificuldade de se relacionar o adoecimento mental com o ambiente de trabalho, pois as enfermidades físicas sempre foram mais fáceis de serem identificadas. Segundo ela, no Brasil, é somente a partir da década de 90, que essa discussão começa a tomar um direcionamento para questões mais psíquicas, denotando problemas na relação do indivíduo com o seu trabalho.

Atualmente, prossegue a professora, os transtornos mentais mais comuns entre os trabalhadores são quadros de ansiedade e depressão. De acordo com um estudo realizado por Schmitt em uma universidade pública, a depressão consistia no principal motivo de afastamento, dentre os que foram atrelados a adoecimentos mentais, de docentes. Nesse sentido, explica que o primeiro passo para investigar essa situação está em questionar o sujeito sobre qual lugar o trabalho ocupa em sua vida, tendo em vista que o emprego é uma das principais vias para a criação de laços sociais.

A professora também elenca alguns aspectos do ambiente de trabalho que podem desencadear a depressão, como pressão, relações competitivas e cobrança exacerbada de alta produtividade. Entretanto, ela alerta que esses quadros depressivos não devem ser desassociados do contexto social, uma vez que estamos inseridos em uma sociedade, consumista o que nos leva a produzir para poder consumir e não abre espaço para a infelicidade ou qualquer outro sentimento negativo.

Outro ponto observado por Schmitt diz respeito a forma como a sociedade lida com os transtornos mentais, sempre tratando cada caso em particular, mas nunca os contextos que propiciam os seus surgimentos. Em alguns casos, diz ela, acaba ocorrendo do próprio paciente se fechar em torno do seu diagnóstico e não refletir mais sobre qual parte de sua vida causou o seu quadro depressivo. Em outros, a professora aponta que a medicação é utilizada como um paliativo, privando o sujeito do diálogo sobre a sua situação. Por fim, Schmitt defende que a via da palavra é a maneira mais adequada para o tratamento dos adoecimentos mentais.

Confira a entrevista completa:

O Nuevo Debate é uma parceria com a UFPR TV e tem como objetivo a divulgação de entrevistas de acadêmicos e pesquisadores, com a finalidade de popularizar o conhecimento. científico

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s