NUEVO Debate – Violência nos Presídios, com o professor Dr. Pedro Bodê

Transcrição e Resumo por

Karina Rossetto Obrzut

De acordo com o Dr. Pedro Bodê, o declínio do bem-estar em uma sociedade representa um aumento no número de indivíduos mais vulneráveis ao encarceramento. Nesse sentido, ele observa que o Brasil vive uma situação singular e curiosa, pois o aumento do nível de bem-estar, verificado nos últimos anos, foi acompanhado por um aumento da população carcerária.

O professor explica que esse fenômeno parte de uma noção do senso comum, a qual encara o encarceramento como um indicativo da qualidade do trabalho policial. Essa noção surge de uma disposição cultural e política presente em nosso país, a qual concebe a prisão como a solução ideal para a criminalidade. Além disso, enfatiza que o sistema prisional também funciona como uma fonte de renda, pois os custos com os presos, oficialmente apresentados, não são compatíveis com as condições que os indivíduos se encontram nas prisões.

Bodê prossegue tratando sobre a violência estrutural que ocorre nos presídios. Sem entrar na questão de méritos, ele aponta que as pessoas estão detidas contra a vontade e submetidas ao regime de coabitação, que é quando o sujeito é impedido de escolher com quem irá conviver. Assim sendo, os agentes penitenciários, para conseguirem controlar a carceragem, obrigam-se a incorporar algumas características desse ambiente, como também aprender a linguagem que é utilizada pelos internos.

O professor aponta que essa situação desencadeia um grande desgaste emocional nesses profissionais, pois eles são obrigados a viverem em duas realidades opostas: a da liberdade e a da prisão. Dessa forma, comenta que esses aspectos acabam se convertendo em sentimentos de falta de perspectiva na carreira e os enquadram nas categorias que mais sofrem com o estresse.

Por fim, Bodê é categórico ao afirmar que a prisão não é um ambiente capaz de recuperar os indivíduos. Entretanto, ele pondera que é possível opor à ferocidade prisional o processo de redução de danos, o qual começa com a diminuição da população carcerária por meio da ampliação de penas alternativas ao regime fechado.

Confira a entrevista completa:

O Nuevo Debate é uma parceria com a UFPR TV e tem como objetivo a divulgação de entrevistas de acadêmicos e pesquisadores, com a finalidade de popularizar o conhecimento científico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s