NUEVO Debate – Intolerância Associada à Cor da Pele, com a professora e pesquisadora Dra. Juliana Cristina Teixeira

Fonte: Foto de Collis no Pexels

Resumo e Transcrição por

Karina Obrzut Rossetto

A professora e pesquisadora Dra. Juliana Cristina Teixeira inicia o debate chamando atenção para a dicotomia entre intolerância e tolerância. Conforme expõe, a palavra tolerar possui contornos densos, uma vez que o indivíduo tolera aquilo que enxerga como muito diferente ou depreciativo, sendo impossível aceitar e acolher, somente tolerar.

Assim sendo, intolerância associada à cor de pele é algo que foi construído historicamente em nosso país, com a ciência sendo muito utilizada em favor dos interesses colonialistas ao postular a diferenciação entre raças e a tese de que uma seria melhor do que a outra. Dessa forma, diz ela, a cor de pele se tornou um elemento utilizado para impor inferioridade e superioridade em nossa sociedade, com os negros ocupando a posição de incapacidade intelectual e deturpação de aspectos morais.

Nesse sentido, Teixeira observa que essa construção negativa gera, entre algumas violências, o racismo estrutural, interpessoal e o institucionalizado. Segundo explica, o racismo estrutural é dado na forma como a sociedade brasileira foi constituída a partir da base escravocrata que, hoje, reflete nas desigualdades socioeconômicas do Brasil. Já o interpessoal é visível nas relações pessoais, muito por meio da violência psicológica. O racismo institucionalizado, por sua vez, é aquele que permite ao Estado eliminar corpos negros.

A pesquisadora também trata sobre as questões raciais no contexto organizacional, apontando que o mercado de trabalho reserva, aos negros, sempre os postos de trabalho mais precários. Em relação à mulher negra, ressalta como as instituições impõem um padrão eurocêntrico de beleza, obrigando as trabalhadoras a alisarem seus cabelos para serem consideradas competentes em seu cargo. Por fim, a professora defende que é preciso provocar tensão e incômodo nas estruturas da sociedade para que ocorra uma ruptura nos poderes que legitimam a intolerância e o cenário melhore.

Confira a entrevista completa:

O Nuevo Debate é uma parceria entre a UFPR TV e tem como objetivo a divulgação de entrevistas de acadêmicos e pesquisadores, com a finalidade de popularizar o conhecimento científico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s